Arquivo da tag: laurencieword

Dinheiro não é Deus, mas…

Mais uma vez temos acompanhado na mídia, denuncias contra líderes evangélicos por desviarem dinheiro das igrejas para benefício próprio. Pode se preparar pois esta novela vai longe. Confesso estar um pouco cansado das tamanhas distorções que o Evangelho vem sofrendo nos últimos tempos. Que Deus nos ajude a manter a fidelidade aos preceitos da Sua Palavra.

Você até deve estar cansado de ouvir isso, mas tenho que repetir: vivemos num tempo de cultura de consumo, que se manifesta
nas relações humanas com a máxima de que “o ter” vale mais do o “ser”. Como é “o ter”, “o possuir” que mandam, que regem as vidas, que comandam os planejamentos, que governam sobre os sonhos, vivemos num verdadeiro vale tudo. E nesta luta, nesta corrida desenfreada e desembestada é cada um por si, e deus por todos (só não sei que deus é esse) e o diabo que carregue o último.

Fato é que dinheiro não é Deus, mas tem gente que o adora. Tem gente que se rende aos seus pés, se é que ele tem pé. Esse tipo de
adoração que no fundo é idolatria acaba por transformar as pessoas num tipo de buraco negro: elas querem tudo para si, desejam, cobiçam e sugam tudo para si. E nesse jogo, como já foi dito vale tudo, vale mentir, vale fazer promessas que nunca se cumprirão, vale passar por cima dos outros, vale ganhar com o desespero dos outros, enfim, vale tudo.

Dinheiro não é Deus, mas tem gente que se rende de corpo e alma a ele. Suas vidas são ditadas pelo dinheiro, seus compromissos, até nos relacionamentos familiares ele manda, comanda os horários, determina os compromissos. Jesus sabia do perigo do dinheiro, por isso até o personificou, chamou-lhe de Mamom. E suas palavras são verdadeiras: “não podeis servir a dois senhores, ou vocês servem ao Deus verdadeiro, ou vocês servem a Mamom, as riquezas”.

Se dinheiro não é Deus, por que algumas igrejas o adoram? Por que algumas igrejas fazem tudo para lucrar, prometem de tudo para
tirar dinheiro dos fiéis e que campanha após campanha vão ficando mais esgotados, mais endividados, mais distantes de Deus, visto que lhes foi apresentando um deus mercenário, um deus que nunca está satisfeito, que sempre quer mais e mais. Pergunto: será que esse tipo de deus, é o Deus que Jesus apresentou como seu Pai?! Eu tenho certeza que não.

Meus caros, fiquem atentos: uma visão equivocada de Deus implica numa visão errada da vida, uma visão errada da espiritualidade, e
uma postura errada diante da existência. Não se iluda com promessas baratas, tenha convicção que Deus não é um capitalista selvagem, e que o céu não é nenhum tipo de poupança que rende mais que as ações da Microsoft. Se alguém lhe prometer as bênçãos divinas em troca de dinheiro, faça que nem José quando a
mulher de Potifar o assediou, saia correndo, e nem olhe para trás.

Certa vez um homem chamado Simão viu os discípulos de Cristo realizando alguns milagres em seu nome (isso está registrado no livro de Atos). Ele ficou todo entusiasmado e ofereceu dinheiro para que Pedro lhe ensinasse a também a fazer atos miraculosos. Pedro disse bem assim: “pereça você e o seu dinheiro”. Pedro colocou Simão no seu devido lugar, e o ensinou que as bênçãos de Deus não podem ser negociadas, barganhadas, compradas e nem vendidas.

Diz um ditado que nem tudo o que reluz é o ouro. O mesmo vale para nossas conceituações sobre Deus. Nem todo discurso sobre Deus é
legitimamente sobre Deus. E nem toda promessa feita em nome de Deus, significa que o próprio Deus a tenha feito. Portanto, fique esperto! E guarde no seucoração as palavras de Jesus: “não se pode servir a Deus e as riquezas”. Que o Deus de toda a graça e misericórdia nos ajude. Amém.

Laurencie Salles on sabtwitterLaurencie Salles on sabfacebook
Laurencie Salles
Sou uma simples pessoa que encontrou a vida por meio da graça de Deus, e esta magnífica graça tem um nome: Jesus Cristo. A partir de Jesus de Nazaré minha identidade é construída, meus papéis de marido, pai e filho, professor e cidadão são exercidos, e minha vocação pastoral é cumprida. Sou alguém amado graciosamente por Jesus e fora Dele não existe nada em mim que tenha valor ou sentido.
Minha formação é na área de Matemática, pela UFSCar (graduação e mestrado) e em Teologia, pela Faculdade Batista de Campinas, convalidado pelo Centro Universitário Clarentiano, com especialização pela FLAM/UNIFIL e especialização em Ética e cidadania pela USP/UNIVESP.

Jesus – a luz da vida

Eu sou a luz do mundo; quem me  seguir jamais andará em trevas, mas terá a luz da vida” (João 8.12).

Fico encantado ao olhar para o texto bíblico e perceber como a ideia da luminosidade acompanha as ações criadoras e salvadoras de Deus no mundo. Gênesis 1.2a e 3 diz assim: “a terra era sem forma e vazia […]. Disse Deus haja luz. E houve luz”. O texto ensina que quando o universo era caos, Deus por sua Palavra criou o cosmos, ou seja, Ele bondosa e poderosamente criou todas as coisas e as deixou em ordem. Seu ato primeiro foi a criação da luz.

Em um tempo em que o povo de Israel vivia uma crise profunda, sem precedentes, Deus enviou seu servo o profeta Isaías para que proclamasse palavras de esperança. Como arauto do Senhor, ele prega em alto e bom som: “não haverá escuridão, para a terra que estava aflita […]. O povo que andava em trevas viu uma grande luz sobre os que habitavam na terra da sombra da morte […]. Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi concedido…” (Isaías 9.1a, 2, 6a). De maneira profética, Isaías anuncia o nascimento de uma criança que há de trazer luz aos que vivem em escuridão plena. Ele diz mais: “o governo está sobre os seus ombros, e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Isaías 9.6b). Que palavras iluminadoras e reconfortantes!

Quando o evangelista Mateus narra o nascimento de Jesus, ele conta que três sábios do oriente foram guiados por uma estrela até o local onde o Senhor, ainda bebê, estava (Mateus 2. 1 a 12). Note: eles foram guiados por um ponto de luz no céu. Já Lucas conta que alguns pobres pastores foram surpreendidos por uma glória luminosa cheia de esplendor (Lucas 2.9). Na verdade, era um anjo do Senhor que veio comunicar àqueles simples homens o nascimento do Salvador.
Lucas ainda descreve o cântico de Zacarias que mostra sua exultação pela ação de Deus na história, por meio de Seu Cristo: “graças à profunda misericórdia do nosso Deus, pela qual a aurora do
alto nos visitará, para iluminar os que estão nas trevas e na sombra da morte, a fim de nos guiar nossos pés no caminho da paz
” (Lucas 1.78 e 79).

Todos e esses textos e muitos outros que poderia citar mostram de maneira unânime que quando Deus age, criando ou salvando, Ele o faz através da luminosidade do seu Ser que se manifesta na criação de astros luminosos (no caso de Gênesis), ou se manifesta
na Sua atuação poderosa na história trazendo luz a quem está nas trevas e na sombra da morte. O próprio Jesus, que representa a maior manifestação de Deus na história, autodenomina-se como a luz do mundo, e quem se permitir ser iluminado por Ele, terá a luz da vida.

Nosso mundo por conta do pecado é confuso e triste, deixa as pessoas sem direção. Muitas delas trilham pela jornada da existência desesperançadas, frustradas, desanimadas, vivendo uma vida sem significado, verdadeiramente, em trevas. Entendo que não tem sentido em se viver assim, visto que Jesus é a luz do mundo. Ele veio do Pai para iluminar a cada ser humano, isso quer dizer que Ele deseja dar direção as pessoas sem rumo, almeja dar esperança aos desesperançados, anseia animar os desanimados, e pretende dar vida significativa para os frustrados, enfim, Ele quer salvar a cada um de uma vida medíocre e de um futuro aterrorizante.

Daqui a um mês celebraremos o Natal de Jesus Cristo, e celebrar tamanho acontecimento nada mais é do que relembrar o coração que Deus mandou seu Filho ao mundo para iluminar os nossos
passos, a fim de que caminhemos rumo ao centro da Sua vontade, que é boa, perfeita e agradável.

Por isso, neste ano comemore o Natal de Jesus Cristo lembrando que Ele é a verdadeira luz que ilumina a vida, ou seja, Ele tem poder para iluminar todas as suas questões existenciais. E se lembre ainda que Ele chamou seus discípulos para participar da sua luz,
iluminando, através de atos que demonstrem seu caráter e sua graça, o caminho das pessoas (veja Mateus 5.14 e 16). Desafio-o, hoje, a fazer da sua fé uma missão, a missão de refletir a luz de Jesus na vida das pessoas que o cercam. Creio que não existe melhor maneira de celebrar o Natal. Que Deus, o Pai das luzes, ajude-o.

Laurencie Salles on sabtwitterLaurencie Salles on sabfacebook
Laurencie Salles
Sou uma simples pessoa que encontrou a vida por meio da graça de Deus, e esta magnífica graça tem um nome: Jesus Cristo. A partir de Jesus de Nazaré minha identidade é construída, meus papéis de marido, pai e filho, professor e cidadão são exercidos, e minha vocação pastoral é cumprida. Sou alguém amado graciosamente por Jesus e fora Dele não existe nada em mim que tenha valor ou sentido.
Minha formação é na área de Matemática, pela UFSCar (graduação e mestrado) e em Teologia, pela Faculdade Batista de Campinas, convalidado pelo Centro Universitário Clarentiano, com especialização pela FLAM/UNIFIL e especialização em Ética e cidadania pela USP/UNIVESP.