Arquivo da tag: amorinesperado

O AMOR COMO CAMINHO

Para falar, tendo como tema o amor, o amor que não se condiciona, inesperado em si, eu me volto para a primeira carta do apóstolo Paulo aos Coríntios, no capítulo 13. Um texto que, de certa forma, dispensaria qualquer apresentação mais longa (talvez até mesmo a sua leitura), pois com toda a certeza, assim como eu (mas não mais do que eu), você já ouviu este texto, aqui ou ali, falado ou cantado, talvez alguns (ou muitas) vezes. Um texto que só de lido ou ouvido já suscita em nós algum tipo de sentimento, como algo que mexe em alguma coisa lá dentro, aqui dentro.

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine” – 1 Coríntios 13.01

Por muitos, aqui e acolá (dentro e fora da igreja), chamado de “hino ao amor”, ou poesia do amor, ou cântico ao amor, I Cor 13 se transformou, para além de um texto bíblico em si, em um clássico literário, humano e poético; que se transportou da carta do apóstolo Paulo e de Coríntios (a cidade), e de todo o contexto religioso (judeus e gentios), eclesiástico (de igreja) ou mesmo de espiritualidade, para um lugar comum, ou mais, para um desejo comum, humano, o amor. Um desejo especialmente e essencialmente humano, pois sem amor nós (você e eu, aqui dentro ou lá fora, igreja ou mundo) nada somos (verso 02). Deixamos de ser.

E é aqui, exatamente neste ponto, naquilo que deveria ser conclusão e não o início, que começo a refletir com vocês neste texto, dizendo: sem amor eu não sou (é o verso 02).

“E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria”1 Coríntios 13.02

Assim como todo o esforço de comunicação, nesta língua humana, a nossa, comum, de gente de verdade, da escola, do trabalho, de casa, do cotidiano, ou numa língua angelical (ah se eu falasse a língua dos anjos), algo pertencente apenas aos mais espirituais e aprofundados nas coisas da religião (e este é o verso 01) – assim como tudo isso -, se for feito sem amor, é apenas barulho ressonado de metais frios e sem vida (Paulo diz o bronze e o sino); assim também a mensagem transmitida (verso 02, e é preciso lembrar que Paulo está falando aos cristãos de Corinto e não para casais apaixonados) em gnoses ou em alta sabedoria para um grupo de “eleitos” ou “escolhidos” (a igreja e os crente), se isso for feito sem amor, mesmo que exista muito de mim, eu continuo não sendo, você também não, por mais cheios de profecia, mistério, ciência e fé que tenhamos – e não empurra isso para o jeito evangélico dos outros não, dizendo isso é coisa para os pentecostais ou neopentecostais. Se não houver amor, a nossa profecia (o kerigma, a mensagem), o nosso mistério (o evangelho com suas coisas mágicas, seus milagres e muito do inefável), a nossa ciência (o conhecimento que temos de Deus e da existência), e mesmo a nossa fé, mesmo grande, a ponto de transportar montanhas (fé de mostarda, Mateus 17:20), são nada. Pois sem amor, eu nada sou.

Mesmo assim ainda há como se esforçar mais (verso 03), esforço que se mostra também na linguagem poética de Paulo, um esforço em exagero que mostra o inatingível para falar que mesmo que fosse possível, ainda será insuficiente.

“E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria”1 Coríntios 13.03

E mesmo assim, mesmo com todo o esforço, continuar-se-á encontrando o vazio daquilo que leva à inexistência. Pois sem amor, mesmo os mais belos e justos atos, mesmo os de mais profunda caridade, com as mais belas intenções, justas e nobres, não haverá nenhum valor no que é feito, nenhum proveito, como diz o texto.

Paulo, e é isso que é importante, sabe que tudo aquilo que é feito sem amor tem um fim em si mesmo, se condiciona a algo. E amor não é assim. Daí, por mais incrível que pareça, para Paulo ou para nós mesmos, para mim, para você, seus leitores, é possível ouvir uma linguagem humana ou mesmo angelical (verso 01) provida de um discurso sagrado (profético, misterioso, gnóstico, de fé – verso 02) que conduza a uma prática humanitária, social, cristã (dar os bens para sustento dos pobres) e sacrificial (o corpo para as chamas – verso 03), sem que exista um pingo de amor. E hoje, por mais incrível que ainda pareça, há uma mensagem de amor, o evangelho de Jesus, que parece – repito: parece – nos ensina a odiar, ou, tão ruim ou pior, uma mensagem de amor que leva à indiferença, o sentimento contrário ao amor.

Todavia, e aqui eu começo a terminar, e termino voltando ao começo, antes do começo até, I Co 12:31, Paulo diz: “[…] procurai com zelo os melhores dons [a melhor forma de servir a partir do sistemático e complexo mundo da religião]; e eu vos mostrarei um caminho mais excelente” (I Co 12:31), o amor. O amor não é um dom, não é dado, oferecido, presenteado. O amor é um caminho. Feito por escolha e não por imposição. Caminha por ele quem quiser. Você não é obrigado a amar. Ama se desejar. É convidado. Jesus nos chama a caminhar por ele, o amor. Ele o torna mandamento de amizade: “Este é o meu mandamento: amem-se uns aos outros” (João 15:17). João diz que “Deus é amor” (I João 4). Nele, no amor, encontramos a vida, o conhecimento de Deus, a pertença a Ele, a permanência de nós nEle e dEle em nós. João diz:

“No amor não há medo; pelo contrário o perfeito amor expulsa o medo, porque o medo supõe castigo. Aquele que tem medo não está aperfeiçoado no amor. Nós amamos porque ele nos amou primeiro”1 João 4.18-19

O amor é caminho, que surge como opção de existência cristã e humana, e que se mostra para a vida comum, do cotidiano, das possibilidades e oportunidades. É o caminho no qual Deus caminhou para nos encontrar, e nos encontrando em Cristo Jesus pelo cominho do amor, nos faz o convite, caminhem por aqui também. Pois este é um caminho sempre mais excelente. Um caminho que supera qualquer dom, qualquer palavra, qualquer discurso, qualquer crença, qualquer dogma, qualquer ato, qualquer gesto. Porque o amor nos leva à existência ou nos devolve para ela. Nele, no amor, eu sou. Você é. Nós somos.

Pois o amor, um desejo humano, um caminho divino oferecido para caminharmos e sermos, é aquilo que nos completa, que nos faz ser o melhor de nós, que mostra em nós e a partir de nós, pessoas humanas e cristãs, o que há de mais belo em ser humano e em ser cristão. O amor nos faz ser, pois…

“o amor é paciente (a partir do verso 04), o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca acaba; […] – 1 Coríntios 13.04-08

Tudo o que vem depois, na vida, acaba (siga os versos 08ss). Tudo o que veio antes, na vida, acaba. Tudo o que acontece durante, na vida, acaba. Mas o amor não. Ele permanece. E permanece especialmente e essencialmente humano, como desejo. E assim se faz como um convite a todos nós, como cristãos e como pessoas humanas, para um caminho ainda mais excelente, não só aqui e não só agora, mas como caminho de vida. Então, sigamos por ele, pois é o amor que nos reconecta uns com os outros, é o amor que nos reconecta com Deus. Assim seja.

Clademilson Paulino on sabfacebookClademilson Paulino on sabemail
Clademilson Paulino
casado, apaixonado por fotografia, literatura e cinema, é Bacharel em Teologia pela Faculdade Teológica Batista de Campinas (FTBC), curso convalidado pela Faculdade de Teologia da Igreja Metodista (FATEO). É também Mestre e Doutor em Ciências da Religião pelo curso de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Faculdade de Humanidades e Direito da Universidade Metodista de São Paulo (UMESP).

Amor Inesperado

Quando falamos em amor inesperado queremos dizer sobre situações que nos surgem quando não esperamos e que exigem de nós o amor. Lembrando que o amor não tira férias – não deveria pelo menos – precisamos estar atentos ao nosso redor, pois a vida sempre nos traz algumas surpresas que podem parecer boas, mas depois se mostrarem ruins e vice-versa.

Se estivermos distraídos na tarefa de amar, podemos perder oportunidades preciosas de amar e ser amado por alguém que já conhecemos ou não. Quem nunca se deparou com alguma situação corriqueira de perceber algum idoso ou uma pessoa com necessidades especiais precisando de alguma ajuda em algo que sabemos que ela não vai conseguir realizar sozinha? Às vezes são pessoas que conhecemos, mas outras vezes não.

Independente se conhecemos esta pessoa ou não, em situações como estas temos que estar atentos se seremos úteis ou não. Mas ambos só serão percebidos se estivermos imbuídos em amar, pois o amor considera o outro antes de nós mesmos.

Muitas vezes a nossa agenda diária está repleta de programações voltadas sempre para nós mesmos e para as nossas necessidades. E não damos espaço para incluir o outro nela. Mas a vida não dá para ser vivida apenas no que foi programado, pois ela nos traz tantas coisas inesperadas que nossa agenda sempre vai mudando. E muitas das vezes a rotina acaba nos acomodando na tarefa de sair de nós mesmos.

Mas quando estamos atentos na tarefa de amar, conseguimos estar mais preparados para os imprevistos da vida que nos exigem um olhar mais demorado e caprichado para o outro. Dão-nos oportunidades de sair de nós mesmos e manter a nossa vida em movimento sem se estagnar no rotineiro.

E se a vida demora a nos trazer estas chances? O que fazer? Será que podemos nos colocar em situações que irão requerer de nós elasticidade de agenda? Quando saímos da nossa zona de conforto intencionalmente nos aventuramos em um mundo desconhecido onde tudo pode acontecer. Não precisamos viajar para longe, gastar meses em algo para vivermos isto, mas coisas cotidianas simples, pequenas que podem nos dar experiências de amor incríveis.

A vida nos pega de surpresa em muitas situações, mas podemos estar preparados minimamente para que possamos aproveitar a vida ao máximo que ela pode nos oferecer. E o que há de melhor neste mundo do que pessoas? Ás vezes são o que há de pior também, é verdade. Mas sem pessoas não há vida, não há mundo, não há graça.

Se arrisque e se aventure na tarefa de viver atento à vida, às pessoas que lhe cerca para poder ter encontros que ficarão na sua memória para sempre e farão parte da sua história. A esperança é um motivador que nos move em direções aos outros em amor para situações não esperadas, mas que nos darão um amor inesperado.

Mateus Feliciano on sabyoutubeMateus Feliciano on sabtwitterMateus Feliciano on sabmyspaceMateus Feliciano on sablinkedinMateus Feliciano on sabinstagramMateus Feliciano on sabgoogleMateus Feliciano on sabfacebookMateus Feliciano on sabemail
Mateus Feliciano
Seguidor de Jesus Cristo desde 1991; marido da Carol Lourenço desde 2010 e pai da Clara desde 2016; nascido em Santo André-SP desde 1982 e morando em Campinas desde 2003. Formado em administração, teologia e pós graduado em exposição bíblica. Coordenador da Seara Urbana ONG de recuperação de moradores de rua desde 2006; Pastor na IBBG, da REDE (IBBG Jovem) e do HELP (Ação Social); Professor na Faculdade Teológica Betesda nas áreas de teologia, missiologia e eclesiologia; Professor de missões urbanas e discipulado na JOCUM; Membro da FTL-Fraternidade Teológica Latino Americana.