O propósito da Bíblia é nos guiar para sermos parecidos com Cristo em tudo. Cristo é o centro das Escrituras, se não levamos a sério tudo o que Jesus ensinou e fez, nosso contanto com a Bíblia será infrutífero!

A Bíblia: nosso livro de fé e prática! Será mesmo?

Dia 31 de outubro se celebra 500 anos de Reforma Protestante e um dos lemas desta Reforma é Sola Scriptura (Somente as Escrituras). Este é um lema que expressa a compreensão protestante que a autoridade máxima em termos de vida e fé está nas Escrituras e não na tradição da igreja e nem em outra fonte. Os cristãos evangélicos pertencentes as igrejas históricas têm como doutrina que a Bíblia é o livro genuíno e legítimo que fundamenta a fé e a prática. Mas será que isso procede mesmo? Será que essa doutrina supera o mero discurso da boca dos cristãos e desemboca numa prática bíblica? Vamos pensar sobre isso?

Será que a autoridade máxima em nossa vida é a Palavra de Deus ou nosso coração enganoso? Quando nos sentimos magoados e feridos, nós interpretamos a vida pelas lentes da mágoa ou abrimos nossas Bíblias e procuramos saber o que ela fala sobre isso? Quando alguém pisa em nosso calo e faz algo que nos entristece, nós carregamos este ferimento ou praticamos o ato bíblico do perdão? Será que vivemos a vida e participamos das coisas esperando ser servidos e sempre beneficiados e agradados ou preferimos seguir o princípio bíblico que é “melhor dar do que receber” e é mais cristão servir do que ser servido?

Quando se trata de nossa relação com o dinheiro nós gastamos este suado dim-dim só a com a gente mesmo e nossa família ou obedecemos o mandamento bíblico da generosidade e da fidelidade na contribuição financeira com o Reino? Quando o sofrimento nos atinge nós ficamos maldizendo a Deus e a vida ou praticamos o princípio bíblico da resistência e da perseverança do “em tudo dai graças”?

Em relação as palavras que saem da nossa boca, nós gostamos de usar as palavras para falar, criticar e ridicularizar as pessoas ou trilhamos o caminho bíblico de restringir nossas palavras àquelas que são abençoadoras. Quando se trata do amor, nós amamos só aqueles que são amáveis como nossos filhos e amigos e parentes ou praticamos o mandamento bíblico de amar o nosso próximo mesmo que este próximo não faça parte de nosso clubinho?

Quando se trata da nossa rotina, nós vivemos a vida e gastamos o dia correndo de um lado pra outro, assoberbados com o trabalho e depois nos despejamos em momentos de lazer para nosso relaxamento como ficar se alimentando da TV todo santo dia ou compreendemos e vivemos a verdade bíblica de remir o tempo porque os dias são maus? Quando olhamos para a realidade complexa e triste de nosso país, nós permitimos que ideologias que propagam ódio e mentira e atos de desumanidade dominem nossa mente ou seguimos a cosmovisão cristã-bíblica que Deus deve ser glorificado em todas as coisas e que o humano tem dignidade intrínseca por ser criado segundo a imagem de Deus mesmo que este humano esteja vivendo uma vida errônea?

Jesus Cristo é o Senhor da nossa vida ou temos nos prostrado diante de ídolos? Valorizamos de forma superlativa a tão grande salvação manifestada em Jesus e consideramos suas implicações ? Permitimos que o Evangelho nos impulsione a vivermos o Soli Deo Gloria? A graça de Deus é amada e valorizada por nós no cotidiano em atos de amor, generosidade, misericórdia e santidade ou temos pisado nesta graça com uma vida distante dos padrões de Deus? Compreendemos a igreja como povo de Deus, amado, comprado  e redimido pelo sangue de Jesus o qual existe para vivermos o cristianismo na prática sendo treinados para uma vida de excelência ou tratamos a igreja como mero apêndice da nossa existência, sem muito valor e importância? Agimos com bondade diante do que nos machucam? Não cobramos juros exacerbados e desumanos quando emprestamos dinheiro? Lembramos misericordiosamente dos doentes, dos presos? Sabemos perdoar?  Fugimos das confusões? Somos exemplos? Somos gentis? Somos honestos em tudo? Lutamos pelo que é bom, justo, belo e digno? Investimos nossa vida no Reino de forma engajada? Somos pessoas de oração?

Veja: existe uma grande diferença entre dizer que a Bíblia é o livro que representa a regra de nossa fé e prática e viver isso na real de maneira genuína. Falar é sempre mais fácil do que fazer. Deus nos ajude a oferecermos nossos corpos como um sacrifício vivo a Ele e que nossa vida seja um culto verdadeiro ao Senhor Jesus Cristo. Que através de nossas atitudes as pessoas possam ver que cremos de verdade no Deus revelado nas Escrituras. Amém!

Laurencie Salles on sabtwitterLaurencie Salles on sabfacebook
Laurencie Salles
Sou uma simples pessoa que encontrou a vida por meio da graça de Deus, e esta magnífica graça tem um nome: Jesus Cristo. A partir de Jesus de Nazaré minha identidade é construída, meus papéis de marido, pai e filho, professor e cidadão são exercidos, e minha vocação pastoral é cumprida. Sou alguém amado graciosamente por Jesus e fora Dele não existe nada em mim que tenha valor ou sentido.
Minha formação é na área de Matemática, pela UFSCar (graduação e mestrado) e em Teologia, pela Faculdade Batista de Campinas, convalidado pelo Centro Universitário Clarentiano, com especialização pela FLAM/UNIFIL e especialização em Ética e cidadania pela USP/UNIVESP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *