ego

A igreja que você deseja X A igreja que você é

É natural que desejemos nos sentir bem nos lugares aos quais pertencemos e participamos: na família, no trabalho, na escola, na universidade e na igreja não é diferente. Mas será que estamos mesmo, em todas as circunstâncias, dispostos a contribuir com muito ânimo e dedicação para que esses lugares sejam de fato lugares bons para se estar?! Eu, sinceramente, acredito que não! Vamos pensar nisso!

A verdade é que nem sempre estamos dispostos a cooperar, porque, em geral, achamos que isso é uma responsabilidade para os outros, compreendemos que nossa postura é sempre supimpa, ótima, maravilhosamente excelente e, assim, gostamos de delegar a culpa dos problemas e das dificuldades para outrem, como disse Leon Tostoy, escritor cristão russo: “Todo mundo pensa em mudar o mundo, mas ninguém pensa em mudar a si mesmo”. Nós fomos engolidos pela síndrome do expectador, pensamos que a missão de resolver as questões é algo exclusivo para os outros.  Os problemas estão nos outros, as dificuldades são os outros que criam, aqueles que atrapalham são os outros, os que criam empecilhos são as outras pessoas, nunca eu. Essa lógica reflete o pensamento existencialista do filósofo francês Paul Sartre: “o inferno são os outros”. É óbvio ululante: este pensamento não é cristão, mas muitos cristãos adoram flertar com ele.

Com todo meu coração acredito que quando o Deus Triuno pensou em criar a igreja Ele estava inspirado. Porque a igreja foi pensada e feita e comprada com preço de sangue (Atos 20.28) para reproduzir no seu seio os valores belos, altos e transformadores do Evangelho: amor, graça, misericórdia, perdão, compaixão e justiça. Mas algo aconteceu, algo se perdeu no caminho, e a impressão que dá é que Jesus foi esquecido, não na teoria, não no pensamento, não nos cânticos, não nos sermões, não nos discursos, não na doutrina, mas na prática. Como alguém já disse: “na prática a teoria é outra”. E assim vivemos à luz daquele poema irônico:

“Viver com os irmãos no céu,

oh, que glória!

Viver com os irmãos na terra,

bem, isso é outra história”.

É claro que isso não é uma verdade absoluta, pois existem casos admiráveis e bonitos de comunidades cristãs e de irmãos e irmãs que vivem a vida de fé em profundidade, considerando todas as implicações do Evangelho que salva, cura a alma, rompe as barreiras, desafia ao amor e liberta de qualquer opressão, mas não podemos fechar os olhos para os contra-exemplos.

O que Jesus nos ensina sobre isso?! Vamos ver na Bíblia; em Mateus 7.5 está escrito: “Tira primeiro a trave do olho; e então enxergarás bem para tirar o cisco do olho de teu irmão”. O que Jesus está ensinando de forma até rígida é que os problemas, dificuldades e até pecados existem tanto nos outros quanto em nós mesmos. E a forma sábia, correta e transformadora de lidar com isso é atentando primariamente para os problemas, dificuldades e pecados que estão em nós, para depois atuar em relação ao outro. Agir de forma diferente, é chamado por Ele de hipocrisia. Palavra dura, não?!  Jesus não brinca em serviço e nunca diz meias palavras.

Assim sendo, se percebemos que os espaços que pertencemos têm problemas, seja a família, o trabalho, a igreja etc, então a mudança, segundo o Mestre e Salvador Jesus Cristo, deve começar em nós. Em cada um de nós. Falando especificamente de igreja, não adianta reclamar que a igreja não é acolhedora se nós não somos acolhedores quando temos oportunidade de o ser. Não adianta dizer que a igreja não ama, se nós ficamos fechados e restritos dentro de nosso grupinho e deixamos um tantão de gente de fora, não adianta dizer que a igreja não se importa com as pessoas, se nós não nos importamos e agimos com arrogância com quem pensa diferente de nós, não adianta dizer que a igreja não é generosa, se nós nunca colocamos a mão no bolso pra ajudar ninguém, não adianta dizer que a igreja  é hipócrita se nós não estamos dispostos a perdoar quem nos magoa, porque, na real, cristianismo sem perdão, é pura hipocrisia.

Tudo isso acontece por conta de uma confusão em nossa mente entre o ideal e o real. E como inocentemente queremos viver o ideal, achamos que a culpa de estarmos vivendo o real, com sua dureza e contradições, é algo provocado pelo outros e assim terceirizamos a culpa e tudo fica na mesmice de sempre, pois esta postura não ajuda em nada. Aliás, não só não ajuda, como atrapalha também. Cada vez que culpamos os outros pelos nossos problemas, ficamos piores e a situação problemática fica intocável.

A moral da história dessa nossa conversa é: se deseja uma igreja melhor, então seja melhor; se quer uma família mais amável, então seja mais amável; se quer um local de trabalho mais amigável e tolerante, então seja mais amigável e tolerante. Simples assim! O resto é conversa fiada! Guarde isso no coração: a mudança começa em você! Ou melhor, em cada um de nós. Que Jesus, Aquele que é o destruidor de muros e barreiras nos ajude! Seja a mudança que você quer no mundo. A começar em mim, quebra corações…

Laurencie Salles on sabtwitterLaurencie Salles on sabfacebook
Laurencie Salles
Sou uma simples pessoa que encontrou a vida por meio da graça de Deus, e esta magnífica graça tem um nome: Jesus Cristo. A partir de Jesus de Nazaré minha identidade é construída, meus papéis de marido, pai e filho, professor e cidadão são exercidos, e minha vocação pastoral é cumprida. Sou alguém amado graciosamente por Jesus e fora Dele não existe nada em mim que tenha valor ou sentido.
Minha formação é na área de Matemática, pela UFSCar (graduação e mestrado) e em Teologia, pela Faculdade Batista de Campinas, convalidado pelo Centro Universitário Clarentiano, com especialização pela FLAM/UNIFIL e especialização em Ética e cidadania pela USP/UNIVESP.

 

4 opiniões sobre “A igreja que você deseja X A igreja que você é”

  1. Boa tarde Laurencie. Em meio a tantas dificuldades que acho que passo, este texto falou em meu coração !!Nosso Deus sabe das coisas, estava eu aqui me lamentando com esposa, porém estaria eu disposto a mudar ou me prontificar a ajudar as nescessidades da igreja? Acho que não. Poderia eu estar me queixando por ter perdido o emprego, tentando achar desculpas para que deixe a minhas obrigação com a igreja ou melhor com Deus .. como pode um simples mortal achar que está fazendo mais que deve, e não entendendo o tamanho do amor de Deus? Realmente preciso mudar, preciso !!!pois o DEUS QUE SIRVO E MAIOR QUE TUDO !!!graça e paz .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *